segunda-feira, 17 de abril de 2017

CRESCIMENTO ECONÔMICO.


"Nem Luz e nem Túnel


   A economia vem encolhendo em nosso país à aproximadamente 2 anos e meio, levando os investimentos a desabarem velozmente a cada dia. Sobreleva-se notar que investimentos e exportações são os fatores mais importantes para o efetivo crescimento do País, pois os mesmos indicam à saúde e o vigor de nossa economia.

                Não existe crescimento econômico sem investimentos, sejam quais forem eles, é a pura realidade, e na sequencia não existe emprego, não existe segurança, não existe saúde e não existe futuro. Investimentos só ocorrem se existir ambiente favorável e propício, se os mesmos forem como estão sendo seguidamente desestabilizados, não existirá possibilidade de que investidores sejam eles nacionais ou internacionais acreditem e coloquem suas fichas no país.
                Para os investidores que porventura pensem em investir aqui, além da alta carga tributária, as incertezas políticas, as propinas a insegurança jurídica, os déficits e outras situações a mais, estes empreendedores serão imediatamente desestimulados e levarão com toda certeza seus capitais para outros lugares que lhes ofereçam mais estímulos e estabilidade.
                Desta forma diante deste quadro, não haverá crescimento econômico, nem emprego e nem confiança e a economia do país será seguidamente detonada e o bem estar geral ira desaparecer como num passe de mágica. A turbulência politica a corrupção, os privilégios as desavenças entre as diversas partes que governam, ocasionarão a fuga constante dos investimentos e o pavor de todos nós como participantes deste teatro de horrores, levando a roda  a parar de girar em todos os sentidos,  ocasionando pura e simplesmente o caos generalizado.
                Para a economia voltar a crescer, precisa-se imediatamente seja resgatada a confiança geral, já de a muito perdida, modificar a forma como nossos políticos se comportam na administração da coisa pública, reduzir a corrupção e os privilégios, enfim reduzir o tamanho do Estado, e aumentar o tamanho de  quem quer trabalhar, empreender e fazer de novo a roda girar, abolindo o Estado voraz e ganancioso que só sabe cobrar impostos e nada retribuir de volta, e colocar fim a esta situação de desgraça contínua em que vivemos, ou então iremos fazer a passos largos companhia a nossa vizinha arrasada e destruída, ou seja a pobre  Venezuela".



Augusto Filippo, Advogado e Mestre em Direito


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Qualquer sugestão ou solicitação a respeito dos temas propostos, favor enviá-los. Grata!

A “cultura da litigiosidade” LOURI BARBIERO – Desembargador   "No Brasil, bate-se na porta do Judiciário para qua...