sexta-feira, 31 de julho de 2015

Pequenas e médias empresas.

Pequenas e médias empresas: O difícil caminho

Pobres pequenas e médias empresas, totalmente esquecidas pelos nossos governantes e economistas, os quais só se preocupam com itens tais como: juros, inflação, cambio, etc. “Pequenas e Médias Empresas” muito pouco fazem parte da discussão sobre economia ou desenvolvimento econômico de um modo geral. Nos dias atuais as grandes empresas mais desempregam do que empregam, quem realmente sustenta o mercado de trabalho são as maltratadas e esquecidas pequenas e médias empresas, ou seja, são elas que seguram realmente o emprego em nosso país.
Porém, vamos assistindo a uma continuada destruição deste setor no Brasil, e consequentemente de nossa classe média como um todo. Por fim, destruir a classe média, acredito possa ser um grande trunfo político, mas é na realidade um indiscutível e pesaroso desastre. No Brasil a classe média vem sumindo a cada dia que passa junto com ela as pequenas e médias empresas, as quais infelizmente não irão empregar mais ninguém, como também irão levar ao desemprego quem está empregado.
Se formos considerar os imensos e inúmeros encargos fiscais que uma pequena ou média empresa tem que pagar, além de enfrentar os processos trabalhistas e outros inúmeros compromissos, a maioria dessas empresas já está ou estará totalmente arruinada em pouco tempo e com seu patrimônio certamente no negativo, ou seja, já quase que praticamente quebrada financeiramente.
Segundo estimativas pessimistas, porém realistas, até 2020 60% dessas empresas no Brasil irão desaparecer fazendo com que inexista aquela vontade de ser empresário e empreendedor o que é um grande pesar. Quando um dia vierem a abaixar os juros dos empréstimos, reduzirem a pesada carga tributária, e pensarem mais na pequena e média empresa, não haverá mais empresários ou mesmo classe média e também consumidores para continuarem a luta.
Isto posto, quem irá gerar os empregos para que o país continue à existir: o governo, as grandes empresas as quais cada dia empregam menos? Está aí a grande dúvida, ou seja, uma questão que não temos ainda resposta no momento, porém, a mesma necessariamente terá que ser analisada e discutida para que possamos continuar a ser parte do que ainda chamamos de Brasil.

                                                 Augusto Filippo, Advogado e Mestre em Direito.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Qualquer sugestão ou solicitação a respeito dos temas propostos, favor enviá-los. Grata!

A “cultura da litigiosidade” LOURI BARBIERO – Desembargador   "No Brasil, bate-se na porta do Judiciário para qua...