segunda-feira, 3 de março de 2014

Em greve, garis do Rio pedem reajuste do salário para R$ 1,2 mil

Em greve, garis do Rio pedem reajuste do salário para R$ 1,2 mil

  • 03/03/2014 17h47
  • Rio de Janeiro
Flávia Villela - Repórter da Agência Brasil Edição: Carolina Pimentel
Rio de Janeiro - Garis da cidade protestam pelo terceiro dia consecutivo em frente à prefeitura (Tomaz Silva/Agência Brasil)
Garis do Rio de Janeiro decidem manter greve
Tomaz Silva/Agência Brasil
Centenas de garis reunidos na sede da prefeitura do Rio de Janeiro decidiram continuar em greve, depois de um encontro entre representantes do movimento grevista e o presidente da Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb), Vinícius Roriz. Os garis informaram que só encerrarão a greve, que já dura três dias, se a prefeitura aceitar reajustar o salário da categoria para R$ 1.200, entre outras demandas. Um dos representantes do movimento em greve, Alexandre Paes, disse que a contraproposta da prefeitura não agradou aos garis, que não reconhecem o Sindicato dos Empregados de Empresas de Asseio e Conservação do Município do Rio de Janeiro como negociador.
“A contraproposta da prefeitura foi a mesma que o sindicato havia solicitado sem consultar a categoria, que seria um aumento de R$ 70. Nós não aceitamos e permaneceremos em greve”, disse Alexandre. “O presidente da Comlurb disse que a greve é ilegal e que poderemos ser demitidos por justa causa, mas a maioria optou pela greve e assim será".
Mais cedo, os garis se concentraram na Central do Brasil, onde em assembleia optaram pela continuação da greve. Eles caminharam até a sede da prefeitura e chegaram a interditar parcialmente a Avenida Presidente Vargas. Lá, um grupo foi chamado para negociar com o sindicato no interior do prédio. Houve um início de tumulto no momento da entrada, apaziguado pelos líderes do movimento.
Mais de 100 policiais militares e do Batalhão de Choque acompanharam o protesto com cerca de dez viaturas.
Além do reajuste do salário , que hoje é R$ 803, a categoria também pede aumento no valor do tíquete-alimentação diário de R$ 12 para R$ 20, pagamento de horas-extras para quem trabalhar nos domingos e feriados, como previsto em lei e melhores condições de trabalho.
Com dez anos de trabalho, o gari Juliano Jorge Pimenta dos Santos disse que há três anos não tem aumento real do salário. “É um salário de fome. E o tíquete-alimentação de R$ 350 por mês, não dá para nada. Enquanto isso, tem gerente ganhando R$ 8 mil”, argumentou.
Segundo os grevistas, os funcionários que não aderiram à greve são os que ingressaram recentemente na companhia e temem perder o emprego. “São os novatos em período de experiência. Mas 60% aderiram”, declarou Santos.
Agência Brasil não conseguiu contato com nenhum representante do Sindicato dos Garis ou da Comlurb para comentar o assunto até a publicação da matéria.
Ruas de alguns bairros e o Sambódromo amanheceram hoje (3) tomadas de lixo, o que deve ocorrer nos próximos dias com a continuação da greve.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Qualquer sugestão ou solicitação a respeito dos temas propostos, favor enviá-los. Grata!

A “cultura da litigiosidade” LOURI BARBIERO – Desembargador   "No Brasil, bate-se na porta do Judiciário para qua...