sexta-feira, 14 de março de 2014

Mãe que perdeu filha em overdose quer unir forças com traficante em campanha

Mãe que perdeu filha em overdose quer unir forças com traficante em campanha

Por BBC Brasil 
Texto

Na Inglaterra, Anne-Marie Cockburn acha que conversar é uma forma positiva de lidar com o trauma. Sua filha tinha 15 anos

BBC
A mãe de uma menina de 15 anos que morreu de overdose está buscando agora um diálogo com o traficante que forneceu a droga, na tentativa de conscientizar os jovens sobre os efeitos trágicos do consumo de tóxicos.
Reprodução/BBC
Martha Fernback saiu para passeio de caiaque com amigas e morreu ao usar droga

Em julho do ano passado, durante o verão britânico, Martha Fernback foi com amigas a um lago para andar de caiaque, próximo à cidade de Oxford, onde vivia. Sua mãe conta que no mesmo dia recebeu uma ligação do hospital local, dizendo que Martha estava em estado grave e que os médicos estavam fazendo de tudo para tentar salvar sua vida. A menina sofreu um ataque cardíaco e morreu no mesmo dia.
Ela havia consumido meia grama de pó de MDMA – uma substância comumente confundida com o ecstasy – logo após andar de caiaque. Os legistas descobriram posteriormente que o grau de pureza da droga era de 91% - muito acima do que é consumido normalmente e com graves consequências para a saúde.
A mãe de Martha, Anne-Marie Cockburn, conta que depois do trauma de perder a filha, ela resolveu adotar uma "ação positiva" diante do caso. "Eu acho que uma abordagem positiva em relação a isso em vez de me basear em raiva e vingança é uma atitude que me permitirá realizar mais coisas", diz ela.
Trabalho comunitário
O diálogo com o traficante será mediado por um órgão do governo britânico chamado Equipe para Delinquentes Juvenis (Youth Offending Team, em inglês). A entidade é formada por policiais, assistentes sociais, professores, líderes comunitários e instituições de caridade.
O objetivo do órgão é investigar as circunstâncias que levam jovens a cometer crimes, e trabalhar para evitar reincidências. Esta semana, o traficante que vendeu a droga para Martha, Alex Williams - um jovem de 17 anos - foi condenado na Justiça a trabalho comunitário.
Anne-Marie Cockburn contou à BBC que não sabe exatamente o que esperar do encontro com o traficante. Sua vontade é de formar um grupo de pessoas – que incluiria ela própria e o traficante – para visitar escolas e contar a história do episódio que levou à morte de sua filha. Cockburn afirma que para se preparar mentalmente para o encontro ela passou um mês pensando no assunto e escrevendo sobre seus sentimentos.
"Eu sinto muitas saudades dela. Mas a raiva não vai me ajudar e não vai mudar o passado. Mas positividade pode mudar o futuro", diz. "Martha não vai voltar mais."
A mãe já esteve presente no mesmo local que Alex Williams durante o julgamento do traficante, e conta que sentiu "sensações muito mistas" na ocasião. Durante o julgamento, Williams disse estar muito arrependido de fornecer a droga a Martha.
"Eu sinto muito pela perda da mãe de Martha. Não há sequer um dia em que eu não pense no assunto, e estou completamente consumido pela culpa por meus atos."

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Qualquer sugestão ou solicitação a respeito dos temas propostos, favor enviá-los. Grata!

A “cultura da litigiosidade” LOURI BARBIERO – Desembargador   "No Brasil, bate-se na porta do Judiciário para qua...