sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

LUTO: NELSON MANDELA

LUTO: NELSON MANDELA

“Em missa, Desmond Tutu afirma que sul-africanos devem se tornar 'memorial' de Mandela ao incorporar seus valores

Pessoas em toda a África do Sul e no restante do mundo estão homenageando Nelson Mandela, morto na quinta-feira, com música, lágrimas e preces, enquanto o governo sul-africano prepara cerimônias que atrairão líderes e outras autoridades mundiais.

Ícone antiapartheid da África do Sul: Morre aos 95 anos Nelson Mandela

Em uma missa nesta sexta-feira, o arcebispo emérito Desmond Tutu disse que o líder antiapartheid que se tornou o primeiro presidente negro da África do Sul gostaria que os próprios sul-africanos se transformassem em seu "memorial" ao aderir aos valores de unidade e democracia que ele incorporou.

Partidários em luto se reúnem do lado de fora da casa de Mandela em Johanesburgo, assim como em sua antiga casa no bairro negro de Soweto.

Repercussão: Líderes mundiais lamentam morte de Mandela

A associação bancária da África do Sul disse que os bancos fecharão no dia do funeral de Mandela. O governo ainda tem de anunciar um cronograma detalhado para o período de luto, que deve durar mais de uma semana.

Os sul-africanos acordaram nesta sexta-feira para viver um futuro sem Mandela, e alguns reconhecem temer que a morte do herói da luta contra o apartheid possa deixar o país vulnerável a tensões raciais e sociais que ele lutou tanto para combater.

Leia também: Frases de Mandela que marcaram o mundo


Os sul-africanos ouviram o presidente do país, Jacob Zuma, anunciar na quinta-feira que o ex-presidente e Nobel da Paz havia morrido em paz na sua casa, em Johanesburgo, na companhia de familiares.

Obama: ‘Não consigo imaginar minha vida sem o exemplo de Mandela’

Apesar das garantias de líderes e figuras públicas de que a morte de Mandela, ao mesmo tempo que penosa, não vai impedir que a África do Sul siga avançando e se distanciando do passado amargo do apartheid, alguns ainda expressam inquietações sobre a ausência física do homem que ganhou fama como um agente da paz.

"Não vai ser bom. Acho que vai se tornar um país mais racista", disse Sharon Qubeka, 28 anos, uma secretária da comunidade de Tembisa, que se dirigia ao trabalho em Johanesburgo. "Mandela era o único que mantinha as coisas unidas", disse.

Mandela (ao fundo) chega ao tribunal em Pretória em agosto de 1958, para audiência de julgamento que durou mais de quatro anos. Foto: AP1/21
Uma avalanche de tributos se espalhou pelo mundo em homenagem a Mandela, que estava doente havia quase um ano, vítima de uma enfermidade pulmonar recorrente, com a qual ele conviveu desde os 27 anos em que viveu em prisões, incluindo na notória colônia penal de Robben Island.

Para a África do Sul, no entanto, a perda de seu líder mais amado ocorre em um momento em que a nação, depois de ganhar reconhecimento global com o fim do apartheid, vive crescentes conflitos e protestos contra serviços precários, pobreza, criminalidade, desemprego e escândalos de corrupção que atingem o governo de Zuma.”


*Com AP e Reuters


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Qualquer sugestão ou solicitação a respeito dos temas propostos, favor enviá-los. Grata!